GUERREIROS BRAZUCAS


Guerreiros. Assim foram todos os atletas da Seleção Masculina de Handebol durante a final contra a Argentina pelos Jogos Pan-Americanos. Valendo a medalha de ouro, os brasileiros entraram no Centro de Exposições de Toronto, no Canadá, na noite deste sábado (25), com um único pensamento: o de vencer. Em um duelo extremamente equilibrado do início ao fim, a equipe verde e amarela manteve o foco e ganhou dos argentinos na prorrogação por 29 a 27, sendo 24 a 24 no tempo regulamentar e 9 a 11 no primeiro tempo. Com o resultado, os brasileiros sagraram-se tricampeões da competição.

Os destaques no primeiro tempo foram os goleiros Maik dos Santos, do Brasil, e Matias Schulz, da Argentina, que estavam imbatíveis e defenderam várias bolas. Talvez por isso o placar marcava poucos gols para um jogo de handebol - aos 15 minutos, por exemplo, o Brasil vencia por 4 a 3. Enquanto os brasileiros erravam alguns arremessos ao gol, os argentinos estavam com uma defesa bem postada. Aos 22 minutos, os ‘hermanos’ passaram a frente pela primeira vez (7 a 6) e conseguiram fechar a etapa com duas bolas de vantagem (11 a 9).

O segundo tempo começou 'nervoso'. Os argentinos não desperdiçavam as chances que tinham para tentar ampliar, mas o Brasil não ficou atrás. Comandado pelo goleiro Maik, o Brasil melhorou na defesa, e a equipe contou também com o armador Thiagus Petrus, que estava em noite inspirada e fez vários gols, deixando o Brasil em vantagem. Porém, o susto começou faltando um minuto para o fim da partida. A Argentina empatou (24 a 24) e, após o central Diogo Hubner perder um tiro de sete metros, o confronto seguiu para a prorrogação.

Nos dois tempos adicionais de cinco minutos cada, a equipe do técnico Jordi Ribera voltou à quadra com ainda mais gás e vontade de ser campeã. Foram dez minutos emocionantes. Novamente, Maik e Thiagus fizeram a diferença e o Brasil, jogando de forma coesa, abriu dois gols de vantagem e venceu por 29 a 27, para delírio dos brasileiros presentes nas arquibancadas.

Visivelmente feliz no fim do jogo, o técnico Jordi Ribera afirmou que os brasileiros mereciam esse título. "Em jogos entre Brasil e Argentina pode acontecer qualquer coisa. Foi uma partida ‘cara a cara’, com as duas equipes querendo ganhar, mas, no meu ponto de vista, o Brasil foi superior", apontou o espanhol. "Nós temos que valorizar o presente e a força da preparação que eles fizeram, pois estão aqui jogando juntos, em uma final e sabem de tudo o que está envolvido nisso. Isso nos dá ainda mais força", completou.

Um dos destaques no jogo de hoje, o goleiro Maik comemorou muito o título, principalmente por ter feito parte da equipe que foi superada pela Argentina nos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara, no México, em 2011. "Quando nós perdemos em Guadalajara, eu fiquei um mês dormindo mal e naquele momento prometi para mim que aquilo nunca mais ia se repetir. Agora, a medalha de ouro está aqui. Foi muito importante ganhar. Graças a Deus eu estava bem concentrando e consegui viver intensamente cada momento. Saímos com a vitória e não tenho palavras para descrever o que estou sentindo", destacou.

Para o central Diogo, o grupo está muito forte e merece os parabéns. "O título veio coroar o trabalho que já tem sido feito há bastante tempo. Antes da prorrogação, o Jordi pediu para que ficássemos com o coração quente e a cabeça fria. Esse é o lema. Pensar o jogo de uma forma tranquila para sairmos com a vitória. Todo o grupo teve uma boa atuação, mas o Maik e o Thiagus foram ‘monstros’ hoje. Agora é comemorar, descansar e seguir pensando no nosso objetivo maior, que são os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro", ressaltou o central, um dos mais experientes da equipe.

Com o vice-campeonato, a Argentina conquistou vaga nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016, pois o Brasil, por ser País-sede, já estava garantido.

Além de Brasil e Argentina, o Chile também subiu ao pódio após vencer o Uruguai na decisão do bronze por 23 a 17. O quinto lugar foi de Porto Rico, que superou Cuba por 39 a 38, enquanto o sétimo ficou com o Canadá, que passou pela República Dominicana por 27 a 23.

O artilheiro da competição foi o porto-riquenho Hector Hiraldo, com 44 gols. O melhor brasileiro na lista foi André Soares, o Alemão, com 21 e na nona colocação.

Gols do Brasil: Diogo (6), Thiagus (6), Teixeira (4), Alemão (2), Borges (2), Lucas (2), Oswaldo (2), Raul (2), Zeba (2), e Tchê (1).

Desembarque - A delegação brasileira embarca do Canadá na noite deste domingo (26) rumo ao Aeroporto Internacional de Guarulhos (SP). A chegada será na segunda-feira (27) às 10h05 (Air Canadá, voo 090). Do grupo, seguem direto para a Europa os atletas Alexandro Pozzer, o Tchê, Felipe Borges e Thiagus Petrus.

Seleção Feminina - A Seleção Feminina conquistou o pentacampeonato em Jogos Pan-Americanos na noite da sexta-feira (24). Parte da equipe desembarca no Aeroporto Internacional de Guarulhos (SP) neste domingo (26) às 10h05 (Air Canadá, voo 090), com exceção de Alexandra Nascimento, Ana Paula Rodrigues Belo, Bárbara Arenhart, Deonise Fachinelo, Fernanda França da Silva, Mayssa Pessoa, Samira Rocha e Tamires Morena, que seguiram para a Europa.

Resultados do handebol

Masculino

Sexta-feira (17)

Brasil 34 x 17 Canadá

República Dominicana 23 x 33 Uruguai

Argentina 35 x 18 Cuba

Chile 33 x 23 Porto Rico

Domingo (19)

Brasil 38 x 18 Uruguai

Canadá 28 x 25 República Dominicana

Porto Rico 22 x 38 Argentina

Cuba 31 x 31 Chile

Terça-feira (21)

Canadá 17 x 26 Uruguai

Brasil 48 x 18 República Dominicana

Cuba 38 x 23 Porto Rico

Argentina 30 x 23 Chile

Quinta-feira (23)

Canadá 24 x 29 Porto Rico (disputa do quinto ao oitavo lugar)

Brasil 34 x 24 Chile (semifinal)

República Dominicana 24 x 40 Cuba (disputa do quinto ao oitavo lugar)

Uruguai 12 x 20 Argentina (semifinal)

Sábado (25)

Canadá 27 x 23 República Dominicana (disputa do sétimo lugar)

Porto Rico 39 x 38 Cuba (disputa do quinto lugar)

Chile 23 x 17 Uruguai (disputa do bronze)

Brasil 29 x 27 Argentina (final)

Feminino

Quinta-feira (16)

Brasil 38 x 21 Porto Rico

México 25 x 22 Canadá

Argentina 20 x 15 Uruguai

Chile 25 x 28 Cuba

Sábado (18)

Brasil 48 x 12 Canadá

Porto Rico 30 x 39 México

Cuba 27 x 25 Argentina

Uruguai 32 x 26 Chile

Segunda-feira (20)

Porto Rico 21 x 21 Canadá

Brasil 34 x 19 México

Uruguai 33 x 28 Cuba

Argentina 30 x 18 Chile

Quarta-feira (22)

Porto Rico 36 x 34 Chile (decisão do quinto ao oitavo lugar)

Brasil 40 x 22 Uruguai (semifinal)

Canadá 20 x 30 Cuba (decisão do quinto ao oitavo lugar)

México 16 x 27 Argentina (semifinal)

Sexta-feira (24)

Chile 20 x 27 Canadá (decisão do sétimo lugar)

Porto Rico 27 x 40 Cuba (decisão do quinto lugar)

Uruguai 29 x 21 México (disputa do bronze)

Brasil 25 x 20 Argentina (final)

Seleção Masculina

Goleiros: César de Almeida, o Bombom (Asociación Deportiva Ciudad de Guadalajara-Espanha) e Maik dos Santos (TCC/Unitau/Fecomerciários/Taubaté-SP).

Armadores: Fernando Pacheco Filho, o Zeba (TCC/Unitau/Fecomerciários/Taubaté-SP), Oswaldo Maestro Guimarães (BM Villa de Aranda-Espanha), Raul Nantes (Tremblay France Handball-França) e Thiagus Petrus (Naturhouse La Rioja-Espanha).

Centrais - Bruno Santana (Esporte Clube Pinheiros-SP), Diogo Kent Hubner (Metodista/São Bernardo/Besni-SP) e Henrique Selicani Teixeira (TCC/Unitau/Fecomerciários/Taubaté - SP).

Pontas: André Martins Soares, o Alemão (TCC/Unitau/Fecomerciários/Taubaté-SP), Fábio Chiuffa (Asociación Deportiva Ciudad de Guadalajara-Espanha), Felipe Borges (Montpellier Agglomeration-França) e Lucas Cândido (TCC/Unitau/Fecomerciários/Taubaté-SP).

Pivôs: Alexandro Pozzer, o Tchê (Asociación Deportiva Ciudad de Guadalajara-Espanha), Rodrigo Joench (AERC Handebol de São José-SC) e Vinícius Teixeira (TCC/Unitau/Fecomerciários/Taubaté- SP).

Comissão técnica

Técnicoo: Jordi Ribera

Auxiliar técnico: Washigton Nunes

Preparador físico: Luigi Turisco

Fisioterapeuta: Gustavo Barbosa

Supervisor: Cássio Marques